Roquemrou Entrevista – Sugar Kane

25 08 2010

@reecampos

O que é isso galera, ta mt mt fóda pra mim esse blog hein.

É legal conhecer artistas que você admira tanto e essa é uma das muitas que eu gosto e agora posso ter um contato mais próximo…

Os Dinossauros do Hardcore, uma das poucas bandas que pode se considerar FODA !

 

1 – Bem, o novo ep “Digital Native” foi feito pensando em novos horizontes, mas no começo do Sugar Kane, vocês gravaram musicas em ingles também, vocês acham que essa ideia nasceu de uma saudade sobre os velhos tempos ou algo mais pretensioso ?

Não foi por saudade dos velhos tempos, não.
Decidimos gravar sons em inglês de novo pra fazer shows fora do país. A gente toca no Brasil todo há muito tempo e quisemos expandir o Sugar Kane. Estávamos afim de experimentar coisas novas. Até agora a experiência tem sido muito boa…

2 – Vocês estão na ativa há algum tempo, e querendo ou não, mudaram completamente o cenário do mainstream influenciando bandas. Pois anos atrás vocês eram a nova geração, agora vocês são a influencia deles, como vocês do Sugar Kane se vêem hoje em dia ?

Acredito que somos uma banda melhor do que éramos naquela época.

Ficamos felizes em saber que algumas bandas que estão se dando bem hoje em dia tenham se inspirado na gente de alguma forma. Do mesmo modo, estamos sempre tentando evoluir e isso é legal. Não gostamos de ficar parados e sempre estamos inventando algo novo!

3 – O que vocês acham sobre os novos estilos de música mais “jovem” que tenta entrar num cenário procurando sempre a mídia ?

Acho que não é legal montar uma banda pensando só em sucesso e fama.

Isso é consequencia de um bom trabalho. Se você só busca a fama incessantemente e não procura ser um bom músico você não vai conseguir se sustentar por muito tempo, porque não tem conteúdo. É a minha opinião.

4 – O disco A Máquina que sonha colorido foi lançado no dia da independência, qual foi o sentido oculto desse ato e o significado do nome do CD ?

Queríamos que fosse uma data emblemática, porque o disco significava muito pra nós. Estávamos fazendo um som que ia contra a maré e queríamos mostrar isso para o nosso público. A galera gostou muito…

Sobre o nome do disco, veio de uma brincadeira do antigo batera da banda, que perguntava pra todo mundo: “E aí? Você sonha colorido?” (Risos)!

5 – O Sugar kane trabalha junto com selo Olelê music, como funciona essa ligação e no que influencia em resultados finais ?

Atualmente o nosso disco é da Olelê Music/Ideal Records. O pessoal faz apenas a distribuição do disco. A Olelê trabalha com o Sul e a Ideal com o resto do Brasil.

Fora isso, somos nós que vendemos os shows e temos o controle de tudo o que rola com a banda.

6 – Como foi desde o começo pra banda toda se desapegar de um estilo “mídia” e seguir como uma verdadeira banda underground ?

Na verdade o Sugar Kane sempre foi uma coisa só. A banda nunca mudou seu estilo pra agradar mais ou menos pessoas. O que houve foi uma evolução musical…

Com 13 anos de banda, é natural que tenham existido várias “fases” diferentes.

7 – Uma das maiores dificuldades das bandas independentes são os modos de sustenta-la, como foi desde o inicio essa luta ?

No começo tínhamos o apoio da nossa família, senão teria sido impossível…

Depois que nos mudamos pra São Paulo, a responsa ficou toda em cima da banda e de nós mesmos. Isso foi uma coisa boa, porque tivemos que aprender a andar com as próprias pernas pra hoje conseguirmos viver com o SK.

8 – Eu vi uma conversa no twitter com o capilé, teco e algum integrante do forfun. Por enquanto essa “tour” ta só na garganta ou vocês já estão analisando meios de realizá-la ?

Estamos conversando ainda. A idéia é muito legal! Quando surgirem novidades boas, a gente divulga! Uhulll!

9 – De um jeito tão simples mais muito bem bolado, foi assim que saiu o clipe “Revolução” que gerou uma real revolução e um protesto no ar, para um clip bom não precisa de tanto gastos, foi um ideial ou uma simples coincidencia ? E como veio a idéia e em relação aos gastos e materiais usados ?

O clipe de “Revolução” nos trouxe muitos resultados positivos. A idéia dele surgiu da necessidade iminente que tínhamos de gravar um clipe novo.
Estávamos sem grana e fomos obrigados a fazer acontecer. Entretanto, não teria sido possível sem a ajuda de muitos amigos que se dedicaram muito no projeto.

Só precisamos alugar uma lente de câmera para produzir o clipe inteiro. Custou R$76,00!! Insano…

– Perguntas de Fan’s

10 –  Depois de pronto o CD Digital Native, vocês vão partir pra essa pegada mais gringa ou isso se aplica só na turnê ?

A idéia é crescer fora do Brasil. Depende da aceitação do EP lá fora, mas nossa idéia é fazer turnês mundiais constantes.

11 – Qual foi o album mais dificil e o mais prazeroso ?

Na minha opinião foi o último, “A Máquina Que Sonha Colorido”.

Foi difícil porque produzimos o disco durante um ano inteiro… fizemos mais de 30 músicas. E também é o mais prazeroso de ouvir porque, particularmente, gosto muito das partes de bateria desse disco.

Anúncios

Ações

Information

One response

28 08 2010
Emo Old School

Muito legal a entrevista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: